Abre os olhos e nunca limites a tua mente.



Espero que estejas sentado e acima de tudo com a mente aberta. É dela que te falo.
Nenhum de nós é mais do que um corpo que dá vida a uma massa cinzenta moldada desde o teu primeiro choro até ao teu ultimo suspiro.
Tudo não é mais do que ligações químicas. A dor, a alegria, o choro, as gargalhadas, o ódio, o amor. Tudo está centralizado no único lugar. Lugar esse, que te pertence mas tem muito pouco de ti.  Acho que já o disse, mas espero que estejas sentado, até porque não quero que me entendas, dá-me só a oportunidade de te o dizer.

Queria que te tornasses em alguém que gostarias de criar, despregando-te da construção que fizeram de ti. A maneira como pensas, como danças, como amas e acima de tudo como te vês foi criada por aqueles que te rodeiam. Não somos únicos por sermos diferentes de todos os outros. Somos únicos pelo facto de mais ninguém no mundo ter partilhado a sua vida com as mesmas pessoas que nós.

O teu maior problema é não saber distinguir a aprendizagem da imitação. Nós somos aquilo que os outros são, não aquilo que eles nos ensinam. Nunca nos escolhemos a nós, nunca criamos, apenas decidimos qual o melhor caminho a seguir.
Não estás a perceber do que te falo?
Existem pessoas que carregam a morte consigo em nome de um Deus que alguém lhes fez acreditar que existia.
Todos os dias alguém coloca fim a sua vida por amor, sem saber que não é o coração que ama mas sim um conjunto de informação processada que pode ser corrigida.
Existem pessoas que acham que é errado amar alguém do mesmo sexo só porque a sociedade lhes impinge imagens e sátiras nesse sentido, sem que elas tenham a capacidade de as filtrar.
Existem pessoas que não sabem que se abdicarem de 5%, ou menos, daquilo que auferem todos os mês, salvariam uma vida – pudesse a humanidade toda saber disto.
Pergunta-te quem és. Acima de tudo pergunta-te: “Se eu pudesse criar uma personalidade, como é que ela seria?”.
Um problema só é resolvido na sua íntegra se conseguirmos encontrar a sua origem. Mais uma vez voltamos a caixa cinzenta. Está na altura de reeducares o teu cérebro. De questionares aquilo que acreditas. Deixar de procurar o melhor caminho a seguir e começar a procurar o melhor “eu”.
Abre os olhos e nunca limites a tua mente. O mundo é só, e apenas, aquilo que fazemos dele e garanto-te, o mundo já viu melhores dias.


8 comentários:

  1. Um texto intenso cheio de verdade... Já me deu muito para pensar hoje!
    Bjs, Alexandra

    ResponderEliminar
  2. Um bonito texto, que nos leva a refletir e a pensar naquilo que queremos, no caminho que vamos seguir...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Muita gente devia passar por aqui e refletir no que escreveste... Mas essas pessoas não leêm blogs, apenas "cusquices" pelo facebook ou em revistas cor de rosa...

    ResponderEliminar
  4. Para ler, reflectir e, porque não, agir.
    Tudo de bom.
    :)
    ;)

    ResponderEliminar
  5. É uma luta constante em mim... Be original, Lucy!

    Nada me mete mais confusão do que os estereótipos criados pela sociedade.

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  6. O que chateia também é... as pessoas criticarem pela originalidade, quer dizer, nem é originalidade é simplesmente tu seres tu! Qual é o mal nisso?

    Beijinhos,
    O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin'

    ResponderEliminar
  7. Bonitas palavras. E é verdade, o mundo é o que fazemos dele!

    ResponderEliminar
  8. Estou amar o teu blog :) segui !
    Acredita que veio numa fase importante ler tudo o que tens aqui...

    ResponderEliminar