Obra de Arte




E neste jardim, invisível a quem passa, estou eu, o pincel, a paleta e a tela onde, electricamente, te desenho com poucos pormenores. Simples, apenas cores quentes, um toque destacado de vermelho, um olhar distante, um sorriso perdido e um cigarro pensador. É assim que és, ou pelo menos é assim que eu te vejo, em cada sonho meu, o foco de todos os olhares, o motivo de cada sorriso.
Quando dou por mim já me falta a cor preta na paleta e tudo deixa de fazer sentido, mas eu continuo aqui alheia ao mundo, perdida na imagem que tenho de ti a tentar perceber se és real ou se não passa de mais uma das minhas telas.

Amar é pensar

"Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela, 
E vendo-a sempre de maneiras diferentes do que a encontro a ela. 
Faço pensamentos com a recordação do que ela é quando me fala, 
E em cada pensamento ela varia de acordo com a sua semelhança. 
Amar é pensar. 
E eu quase que me esqueço de sentir só de pensar nela. 
Não sei bem o que quero, mesmo dela, e eu não penso senão nela. 
Tenho uma grande distração animada. 
Quando desejo encontrá-la 
Quase que prefiro não a encontrar, 
Para não ter que a deixar depois. 
Não sei bem o que quero, nem quero saber o que quero. 
Quero só Pensar nela. 
Não peço nada a ninguém, nem a ela, senão pensar."

Alberto Caeiro

O mundo deixou de ser redondo!




"Boa parte da humanidade deixou de saber estar em sítios sem fazer nada. Deixamos de saber olhar para o ar, para as pessoas que passam, para os pássaros ou os ramos das árvores balançando com doçura ao vento; deixamos de pensar na vida ou, simplesmente, de praticar a nobre arte perdida de esvaziar a nossa mente e não pensar em nada. Porquê? Porque temos telemóveis! 
(...) Caramba, já repararam como uma bolinha de cotão do bolso das calças pode conter cores e cambiantes tão fascinantes? Ah, se o cotão tivesse Wi-Fi..." 

Nuno Markl