A vida não é um conto de fadas



A vida é de facto o maior desafio da raça humana. Há quem passe por ela de sorriso no rosto, há quem passe por ela para perceber qual é o limite do sofrimento humano...

E assim termina a história entre a Marta e o Francisco...pudesse ser esta única no mundo, mas a vida gosta de um bom drama!

“Faz por esta altura três anos que nos conhecemos. Lembro-me como se fosse hoje, esse teu olhar meigo, a tua voz delicada, o sorriso encantador e a tua maneira de ser fez-me tremer por dentro e acertou em cheio no código que abria o cofre do meu coração. Descobri contigo muito mais do que é que é ser o amor, contigo descobri o que é uma verdadeira amizade. Como tu me dizias muitas vezes: “A amizade também é um casamento. Onde tem que haver respeito, lealdade e compromisso para com o outro.” E tu de facto cumpriste sempre esse “casamento” estives-te sempre lá, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, só mesmo a morte nos iria separar. Recordando tudo o que ficou para trás só me apetece rir. Éramos tão garotos juntos.
Hoje percebo que independentemente do que sinto, do que sentias, ou do que sentíamos, eu não sou nem nunca mais serei, “eu” depois desta tua partida. Queria tanto que o tempo voltasse atrás, seria tudo diferente, sem exigências, sem propostas, sem restrições e sem obrigações. Simplesmente te queria aqui, para que juntos voltássemos a conquistar o mundo com uma simples brincadeira. Tal como antes.
A palavra desculpa não chega para demonstrar o quanto estou arrependido, de teres partido sem te poder dizer aquilo que a minha mente sempre reprimiu do meu coração. Perdi aquilo que mais precioso tinha de ti. Perdi a mulher que mais me encantou na vida, perdi o meu lado racional. Perdi a minha terceira perna, perdi um dos “O´s” do O2, perdi-te a ti!
Estes últimos dias de negação comigo mesmo estão a dar cabe de mim. Fingi que tinhas apenas ido comprar um maço tabaco, como fazias tantas vezes quando me deixavas sozinho.Em tempos dizias “Se estiveres feliz eu serei feliz na infelicidade de não te ter a meu lado.” Mas eu não o consigo ser se não estiveres aqui. Preciso desse teu abraço, preciso do teu aconchego, preciso de TI! Porque o Francisco só faz sentido com a Marta, de que me vale olhar para o céu se eu nem sei se é realmente ali que estás?...poderei eu amar-te noutra vida?


Com amor, Francisco.”


9 comentários: